Archive for fevereiro, 2011

Limão Rosa Verde

LIMÃO ROSA VERDE

 __ Quem é o bicho-papão?
[uma troca de papéis como na Revolução dos Bichos]
“Deus, entre em ação, é a sua criação!…”
No cardápio, têm outras opções,
não escolha bicho,  não:
acelga, couve, alface, tomate, rúcula, cenoura,
pepino, espinafre, almeirão… 

“ Por favor, sirva-me arroz-com-feijão
 [ carne é do tempo da onça ]
e  salada de arco-íris com limão”
__ Noé, salve o planeta!…
– Animais ameaçados de extinção –
Deus alertou que não seria mais com água, mas fogo
A fênix volta com um ramo de esperança!…

Marli Savelli

 Dedicado a todos os Vegetarianos

25 de fevereiro de 2011 at 01:29 2 comentários

Torre de Babel

TORRE DE BABEL

Deixa-me entrar
Libera o seu código de acesso
que eu te entrego a minha senha
Conectados pela alma
na rede que nos liga ao universo!…
Somos descendentes de Babel
– da mesma galáxia –
Saem da minha boca palavras desconexas
Estou perdendo a direção
O sol dentro de mim está se apagando   
Um toque de brilho
de um ser que é iluminado!…
Clareia os meus pensamentos,
alivia a minha carga   
Estou ficando sem luz,
sem ar

Marli Savelli

23 de fevereiro de 2011 at 21:29 Deixe um comentário

Maria Madalena

MARIA MADALENA

Santa e profana
Vestida de crenças e súplicas,  
despe-se em
volúpias lascívias
Delirando suspiros, a Madalena
Alma copulada
Corpo nu
Não sei se mais louca que pura
Talvez, mais pura que louca
Uma diz  a m e m,
a Maria sempre amém!…

Marli Savelli 

22 de fevereiro de 2011 at 17:18 1 comentário

Céu Ruivo

CÉU RUIVO

 Seis e quarenta da manhã
– céu ruivo –
Fotografei com o olhar o sol liquefeito.
[ Todo dia é assim
… pé na estrada, tempo quente ou frio ]

Nos flashes desses instantes
vou montando o meu álbum
__ (mas) Hoje, não!… Não, hoje!…

Dezesseis horas da tarde,
de volta para casa
“Não escrevi sobre o céu apaixonado!…”
A chuva  em mim chorava 
… cansada, eu deixei!

Marli Savelli

15 de fevereiro de 2011 at 15:01 Deixe um comentário

Amor, Flor Azul

bluerose 

AMOR, FLOR AZUL

Não sou romancista,
sim, surrealista
Distraída, tropeço nas estrelas
e os versos de amor
se esparramam pelas nuvens
O vento levou,
e vai cantar para você!…
No amanhecer que te desperta,
a luz do sol te procura.
Ao anoitecer, a lua fica a tua espera.
Anseiam te entregar um poema.
Eles estão livres,
espalhados pelo universo!…

[ As prateleiras já estão cheias, amor,
… e o sonho é real. ]

Marli Savelli

8 de fevereiro de 2011 at 15:33 Deixe um comentário

Sonhos, Cidade de Vidro

 

SONHOS, CIDADE DE VIDRO

Por detrás das vidraças,
olho para você,
e vejo forças no teu mundo de aço.
Não destruas minhas paredes de vidro!…
Será que eu poderia sobreviver neste habitat  
sem esta proteção que me cerca?…

Às vezes, também me sufoca,
me abafa, me faz perder os sentidos:
“__ Eu quero quebrar a vidraça!…”
Não ouve os meus gritos?
Na linha imaginária
escorre uma ilusão desenhada em palavras.

Marli Savelli

6 de fevereiro de 2011 at 11:01 1 comentário

A Águia e o Passarinho

A ÁGUIA E O PASSARINHO

A águia com seus olhos de longe alcance avistou o passarinho e o chamou com um canto. Ele seguiu o som até encontrá-la enclausurada numa ampla gaiola dourada de quatro paredes. Uma luxuosa morada, com água fresca, alimento e tudo mais.

Por ser muito amada, prendiam-na, acreditando que assim ela estaria segura. Porém, cativa e triste, gorjeou sua dor ao passarinho:

__ Veja só você – tens voado livremente pelos vales. Agora, eu estou aqui neste espaço pequeno e escuro, impossibilitada de realizar altos vôos. Quero a liberdade! Os meus filhotes precisam voar nas nuvens altivas, conhecer o mundo!…

O passarinho ficou estarrecido e um pouco confuso com a situação e tamanha aflição. Sem saber o que fazer saiu pensando em como poderia abrir a porta da prisão. A voz do seu pensamento se repetia: Liberte-os! Liberte-os!

MORAL: Os gigantes também enfrentam obstáculos.

Marli Savelli

2 de fevereiro de 2011 at 15:05 Deixe um comentário


Obrigada =)

  • 97,402 Pescadores de Ilusões
"Eu escrevo o que me vem ao coração, não me pergunte o porquê nem pra quem. Preciso!"

.............................................

Proteção Anti-Cópia – O blog está protegido pela Lei de Direitos Autorais. Os textos aqui contidos não podem ser utilizados sem prévia e expressa autorização da autora, ficando o infrator sujeito às penas da Lei 9.610 de 19/02/1998.

Licença Poética

Licença poética é uma incorreção de linguagem permitida na poesia. Em sentido mais amplo, são opiniões, afirmações, teorias e situações que não seriam aceitáveis fora do campo da literatura. A poesia pode fazer uso da chamada licença poética, que é a permissão para extrapolar o uso da norma culta da língua, tomando a liberdade necessária para utilizar recursos como o uso de palavras de baixo-calão, desvios da norma ortográfica que se aproximam mais da linguagem falada ou a utilização de figuras de estilo como a hipérbole ou outras que assumem o caráter "fingidor" da poesia, de acordo com a conhecida fórmula de Fernando Pessoa ("O poeta é um fingidor").

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

Lançando a Rede

Últimos posts do blogue: PALAVRAS RABISCADAS

Pedro Cardoso fala sobre Nudez na TV

A nudez é uma crise na narrativa (…)

Dicas de Língua Portuguesa

1 2 . 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 20 21 22  

Deus É Maior

DEUS É MAIOR Deus criou a mulher e junto com ela criou a fantasia. Foi assim que uma vez a Verdade desejou conhecer um palácio por dentro e escolheu o mais suntuoso de todos, onde vivia o grande sultão Haroun Al­-Raschid. Vestiu seu corpo apenas com um véu transparente e pouco depois chegou à porta […]

Não Há Lugar Melhor Que O Nosso Lar

Trecho de Clip Musical retirado do filme “BOLT – O SUPER CÃO”  “Não há lugar melhor que o nosso lar.” – em O Mágico de Oz [Dorothy]

Escrever é Esquecer

Escrever é esquecer. A literatura é a maneira mais agradável de ignorar a vida. A música embala, as artes visuais animam, as artes vivas (como a dança e a arte de representar) entretêm. A primeira, porém, afasta-se da vida por fazer dela um sono; as segundas, contudo, não se afastam da vida – umas porque […]

Por Clarice Lispector

“Então escrever é o modo de quem tem a palavra como isca: a palavra pescando o que não é palavra. Quando essa não-palavra – a entrelinha – morde a isca, alguma coisa se escreveu. Uma vez que se pescou a entrelinha, poder-se-ia com alívio jogar a palavra fora”. C. Lispector

Prêmio Dardos

Prêmio indicado por Helena Frenzel, do blogue bluemaedel.blogspot.com. Obrigada, querida, pelo carinho, reconhecimento e leituras. “A conquista é nossa! Eu digo nossa porque, a conquista nunca é solitária, existe mais alguém:- aqui, “o leitor”! .Ele me motiva a continuar, está a me inspirar (...)” Marli Savelli

Arquivos