Archive for março, 2011

Entre o Céu e o Mar

ENTRE O CÉU E O MAR

Quando me sinto afogando
tiro a cabeça para fora
– escrevo –
para respirar
(Como quem soubesse nadar)
O meu ser me leva
para uma ilha deserta
– S.O.S –
Um vulcão vivo
A fumaça subindo ao céu

Marli Savelli

31 de março de 2011 at 08:39 Deixe um comentário

Sabor da Vida

SABOR DA VIDA

Para saborear a vida
é preciso vivê-la devagar
Mastigar bem cada momento
Respirar, sentir o cheiro
de algo muito bom chegando…
Não exagere no tempero,
muita pimenta pode estressar
O sal e o açúcar
deve ser usado com moderação
Observe o tempo,
não deixe passar do ponto
Sente-se à mesa com apetite
e deguste um bom dia!…

Marli Savelli

29 de março de 2011 at 08:40 4 comentários

Rabisco a Giz

RABISCO A GIZ

Somos retratos falados
Nas linhas paradoxais esboçados,
em traços abstratos
Descritos por uma suposta aparência
– inexata –
Visão embaçada da essência
Com giz ou à carvão,
desenho no muro ou no chão
o sorriso sem graça
que logo passa!…
Se a chuva chegar
e o teu rosto apagar
Vou rabiscar com tijolo de construção
O sol de verão.

Marli Savelli

24 de março de 2011 at 10:37 Deixe um comentário

Absinto

ABSINTO

Bebi um gole de ressentimento
– erva amarga –
 Aguardava que o veneno
fizesse efeito em ti.
Mas, quem morria era eu!…
Ingeri a pílula do perdão
Só então sobrevivi.

Marli Savelli

 

Guardar ressentimentos é como tomar veneno e esperar que a outra pessoa morra”   William Shakespeare

23 de março de 2011 at 08:09 1 comentário

Gladiador

GLADIADOR

No meio de feras famintas
– o gladiador –
Eu sou da paz,
eles preferem guerra
O combate é pela sorte
_ Desperta, ó minha alma,
tente se esquivar da morte!…
É preciso lutar,
reúna as tuas forças
e seja valente.
Ouça o galopar subindo na arena
– Cavalo de Tróia –
A lança que atingiu
o calcanhar de Aquiles

Marli Savelli

22 de março de 2011 at 08:26 Deixe um comentário

Libélula

LIBÉLULA

Em estado de metamorfose
adormeço em silenciosa melancolia
Meus pensamentos negam
o que os meus olhos acreditam ver
– puro imaginário –
Ainda anestesiada, rompe-se o casulo,
e do que me resta faço-me inteira!

Marli Savelli

20 de março de 2011 at 16:35 Deixe um comentário

Fome de Loba

FOME DE LOBA

Olhos famintos
– quase uma mendiga –
De braço estendido
e mãos cheias!…
Aguardando o quê, me diga?
Se também sente fome,
senta aqui do meu lado.

Marli Savelli

 

8 de março de 2011 at 01:38 Deixe um comentário

Posts antigos


Obrigada =)

  • 99,512 Pescadores de Ilusões
"Eu escrevo o que me vem ao coração, não me pergunte o porquê nem pra quem. Preciso!"

.............................................

Proteção Anti-Cópia – O blog está protegido pela Lei de Direitos Autorais. Os textos aqui contidos não podem ser utilizados sem prévia e expressa autorização da autora, ficando o infrator sujeito às penas da Lei 9.610 de 19/02/1998.

Selo da Amizade

Biblioterapia

Pais e Filhos III

PAIS E FILHOS III “Primeiro eu peço com amor, se não obedecer, eu alerto: se não for, vai na vara ou no castigo. E sai rapidamente pra fazer!” Um episódio assim representa aquelas pessoas que não dão ouvidos à voz de Deus, precisam enfrentar alguma dor, sofrer algum castigo para aprender aquilo que é, muitas […]

Tentações No Deserto

TENTAÇÕES NO DESERTO Eu só quero o que vier das mãos de Deus Não quero uma mesa farta de alimento, fama ou poder, oferecida pelo diabo Nada disso tem valor sem Ele. Marli Savelli

Canibalismo Espiritual

Eu me alimento, de manhã, meio dia e noite, para poder alimentar. Há quem prefira às madrugadas, não importa! Mas, existem pessoas sofrendo de canibalismo espiritual, onde o seu corpo está se desintegrando por falta de alimento, desidratados, pois, até mesmo as suas reservas – de energias, alegrias, os seus dons, as suas promessas, estão sendo devoradas, […]

Não Negue Cristo

NÃO NEGUE CRISTO Eu: Se eu soubesse, Senhor, eu faria diferente (…) Deus: Baseado nos seus sentimentos, opiniões e razões. Por isso mesmo, você não pode ser governada pelas suas vontades, sou eu quem dito! Espalhe amor e não religião. Não negue Cristo. Marli Savelli

Encurvamento

ENCURVAMENTO Passa-se tanto tempo amarrado, que ao se libertar não consegue voar, bate as asas e cai no mesmo lugar, dando voltas em círculos, chorando as cebolas do Egito. Qual o seu grau de encurvamento? Os velhos ídolos, tradições e ritos pesam sobre os teus ombros. Não há mais correntes, sai do cativeiro, o Senhor […]

Por Clarice Lispector

“Então escrever é o modo de quem tem a palavra como isca: a palavra pescando o que não é palavra. Quando essa não-palavra – a entrelinha – morde a isca, alguma coisa se escreveu. Uma vez que se pescou a entrelinha, poder-se-ia com alívio jogar a palavra fora”. C. Lispector

Licença Poética

Licença poética é uma incorreção de linguagem permitida na poesia. Em sentido mais amplo, são opiniões, afirmações, teorias e situações que não seriam aceitáveis fora do campo da literatura. A poesia pode fazer uso da chamada licença poética, que é a permissão para extrapolar o uso da norma culta da língua, tomando a liberdade necessária para utilizar recursos como o uso de palavras de baixo-calão, desvios da norma ortográfica que se aproximam mais da linguagem falada ou a utilização de figuras de estilo como a hipérbole ou outras que assumem o caráter "fingidor" da poesia, de acordo com a conhecida fórmula de Fernando Pessoa ("O poeta é um fingidor").

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

Prof. Dr. José PAZ Rodrigues

Professor Doutor, José PAZ Rodrigues, didata, poliglota, licenciado e graduado em Pedagogia pela Universidade Complutense de Madrid. Especialista mundial em Robindronath TAGORE, tem a melhor biblioteca do mundo dedicada a TAGORE, com mais de 30.000 volumes em todas as línguas, inclusive, edições brasileiras. Estuda este escritor desde 1966, teve como tese de doutorado: “Tagore, Pioneiro da Nova Educação”. (Clique aqui para acessar seus artigos)

Minha Homenagem

Clique na foto do escritor, poeta, romancista e músico indiano, Robindronath TAGORE (7/5/1861-7/8/1941- Calcutá – Índia), para acessar alguns de seus poemas e escritos, publicados em homenagem a ele, que se realiza no ano de 2011, quando se completa 150 anos desde o seu nascimento e 70 de falecimento. Tagore, chamado por Mahatma Gandhi de “o grande mestre”, ganhou em 1913 o prêmio Nobel de Literatura. Tagore, depois de educação tradicional na Índia, completou sua formação na Inglaterra entre os anos de 1878 e 1880 e começou sua carreira poética com volumes de versos em língua bengali. Desde então, traduziu seus livros para o inglês, a fim de lhes garantir maior difusão. Seu mais famoso volume de poesias é Gitãñjali (Oferenda Poética). Fundou, em 1901, uma escola de filosofia, em Santiniketon, que, em 1921, foi transformada em universidade.

Albert Einstein e Tagore

Tagore e Mahatma Gandhi

Lançando a Rede

Prêmio Dardos

Prêmio indicado por Helena Frenzel, do blogue bluemaedel.blogspot.com. Obrigada, querida, pelo carinho, reconhecimento e leituras. “A conquista é nossa! Eu digo nossa porque, a conquista nunca é solitária, existe mais alguém:- aqui, “o leitor”! .Ele me motiva a continuar, está a me inspirar (...)” Marli Savelli

Traduzir

Na Minha Casa, Tagore

Arquivos