Pensamentos, Robindronath Tagore

1 de agosto de 2011 at 08:15 2 comentários

 

“Há triunfos que só se obtêm pelo preço da alma, mas a alma é mais preciosa que qualquer triunfo”
“Compreendemos mal o mundo e depois dizemos que ele nos decepciona”
“Onde o espírito não teme, a fronte não se curva”
“Aos que me são queridos, deixo as coisas pequenas. As grandes são para todos”
“Não podes ver o que és, o que vês é a tua sombra”
“Se fechar a porta a todos os erros, a verdade ficará lá fora”
“Quanto maiores somos em humildade, tanto mais próximos estamos da grandeza”
“O meu poema é a resposta da alma ao apelo do universo”
“Nem por crescer em poder chegará o falso a ser verdadeiro”
“O trabalho só nos cansa se não nos dedicarmos a ele com alegria”
“Se de noite chorares pelo sol, não verás as estrelas”
“O maior vai de boa mente com o mais pequeno. O medíocre vai sozinho”
“O amor é um mistério sem fim, já que não há nada que o explique”
“O poder infinito de Deus não está na tempestade, mas na brisa”
“Os homens são cruéis, mas o homem é bom”
“A inteligência aguda e sem grandeza tudo fura e nada move”
“É tão fácil esmagar, em nome da liberdade exterior, a liberdade interior”
“Formosura, procura encontrar-te no amor, não na adulação do espelho”
“Se choras porque perdeste o sol, as lágrimas não te deixarão ver as estrelas”
“A falta de amor é um grau de imbecilidade, porque o amor é a perfeição da consciência”
“O homem mergulha na multidão para afogar o grito do seu próprio silêncio”
“A noite abre as flores em segredo e deixa que o dia receba os agradecimentos”
Robindronath Tagore
Anúncios

Entry filed under: Sem categoria.

Adentrar No Que O Outro É!… E No Meio Da Fuga

2 Comentários Add your own

  • 1. helio.rocca  |  1 de agosto de 2011 às 12:31

    Muito sábios este pensamentos de Tagore. Marli, sou anarquista, li muito Nietzsche, Proudhon, Bakunin, Campbell entre vários outros. Serei sincero com você, eu não conhecia, nem jamais tinha ouvido falar neste escritor indiano. Passei a conhecê-lo por seu intermédio, e confesso, estou pasmo, o homem era um sábio. Como você o conheceu? Abraço fraterno, Helio Rocca.

    Responder
  • 2. Marli Savelli de Campos  |  4 de agosto de 2011 às 09:34

    Olá Helio, bom dia!

    Esta sua pergunta foi muita oportuna. Conheci Tagore via José Paz, quando tive o prazer de recebê-lo no meu blogue “Palavras Rabiscadas”, numa postagem que fiz de um poema de Tagore, por título “SÊ”, aqui: http://mscamp.wordpress.com/2009/01/23/se-tagore/ Acessando o link, poderá, pela troca de comentários, saber como tudo se deu…

    Eu tive a iniciativa de fazer o blogue, “Casa Poética de Tagore”, como forma de conhecer melhor este escritor indiano, pois assim me incita pesquisá-lo, além dos postais que tenho recebido do professor para enriquecer meu conhecimento a respeito: “Não faço o blogue porque conheço muito sobre ele, faço o blogue para conhecer mais sobre ele.” Inclusive, estou para postar a biografia que recebi de José Paz, provavelmente será minha próxima postagem… Até lá! Muito obrigada. Um grande abraço,

    Responder

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s

Trackback this post  |  Subscribe to the comments via RSS Feed


Obrigada =)

  • 109,684 Pescadores de Ilusões
"Eu escrevo o que me vem ao coração, não me pergunte o porquê nem pra quem. Preciso!"

.............................................

Proteção Anti-Cópia – O blog está protegido pela Lei de Direitos Autorais. Os textos aqui contidos não podem ser utilizados sem prévia e expressa autorização da autora, ficando o infrator sujeito às penas da Lei 9.610 de 19/02/1998.

Apocalipse, Amor e Fúria

Biblioterapia

( No Title )

Novos Posts no Aquário Literário https://aquarioliterario.wordpress.com/  

De Volta a Vida

  DE VOLTA A VIDA Nem Albert Einstein poderia me energizar, ele é só mais uma criatura, dentre tantas outras criaturas sua, que se encurvaria diante da tua grandeza. Quem, senão o Senhor, o Deus poderoso, maravilhoso, bondoso (…) Livra-me, ó Senhor! Salva-me! Estou confusa, sem forças, abatida e entristecida!? Responde-me, pois, eu falo contigo […]

O Amanhã Pertence a Deus

O AMANHÃ PERTENCE A DEUS Não saber o amanhã é andar de olhos vendados com o mapa na mão A fé É algo que se vê por dentro Marli Savelli  

Eu Cultivo o Perdão

EU CULTIVO O PERDÃO Eu agradeço a Deus pelo tempo de aprendizado, mas, já me libertei desse relacionamento tóxico, conquistei o direito de não ter que ouvir os teus maldizeres, e mais, de te bloquear quando necessário, de te impedir de acessar a minha casa no interior (…) Não sou egoísta, o caminhar é individual. Joga […]

O Talhar Divino

O TALHAR DIVINO Quem disse que o processo de ser feito de novo é indolor? – Que outro, senão eu a pedra bruta! Primeiro com um martelo a esmiúça E segundo talha e trabalha – Poderá lembrar-se do antigo vaso? Então, derrama do seu vinho Dá novas vestes, calça as sandálias Põe o anel no […]

Selo da Amizade

Por Clarice Lispector

“Então escrever é o modo de quem tem a palavra como isca: a palavra pescando o que não é palavra. Quando essa não-palavra – a entrelinha – morde a isca, alguma coisa se escreveu. Uma vez que se pescou a entrelinha, poder-se-ia com alívio jogar a palavra fora”. C. Lispector

Licença Poética

Licença poética é uma incorreção de linguagem permitida na poesia. Em sentido mais amplo, são opiniões, afirmações, teorias e situações que não seriam aceitáveis fora do campo da literatura. A poesia pode fazer uso da chamada licença poética, que é a permissão para extrapolar o uso da norma culta da língua, tomando a liberdade necessária para utilizar recursos como o uso de palavras de baixo-calão, desvios da norma ortográfica que se aproximam mais da linguagem falada ou a utilização de figuras de estilo como a hipérbole ou outras que assumem o caráter "fingidor" da poesia, de acordo com a conhecida fórmula de Fernando Pessoa ("O poeta é um fingidor").

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

Prof. Dr. José PAZ Rodrigues

Professor Doutor, José PAZ Rodrigues, didata, poliglota, licenciado e graduado em Pedagogia pela Universidade Complutense de Madrid. Especialista mundial em Robindronath TAGORE, tem a melhor biblioteca do mundo dedicada a TAGORE, com mais de 30.000 volumes em todas as línguas, inclusive, edições brasileiras. Estuda este escritor desde 1966, teve como tese de doutorado: “Tagore, Pioneiro da Nova Educação”. (Clique aqui para acessar seus artigos)

Minha Homenagem

Clique na foto do escritor, poeta, romancista e músico indiano, Robindronath TAGORE (7/5/1861-7/8/1941- Calcutá – Índia), para acessar alguns de seus poemas e escritos, publicados em homenagem a ele, que se realiza no ano de 2011, quando se completa 150 anos desde o seu nascimento e 70 de falecimento. Tagore, chamado por Mahatma Gandhi de “o grande mestre”, ganhou em 1913 o prêmio Nobel de Literatura. Tagore, depois de educação tradicional na Índia, completou sua formação na Inglaterra entre os anos de 1878 e 1880 e começou sua carreira poética com volumes de versos em língua bengali. Desde então, traduziu seus livros para o inglês, a fim de lhes garantir maior difusão. Seu mais famoso volume de poesias é Gitãñjali (Oferenda Poética). Fundou, em 1901, uma escola de filosofia, em Santiniketon, que, em 1921, foi transformada em universidade.

Albert Einstein e Tagore

Tagore e Mahatma Gandhi

Lançando a Rede

Prêmio Dardos

Prêmio indicado por Helena Frenzel, do blogue bluemaedel.blogspot.com. Obrigada, querida, pelo carinho, reconhecimento e leituras. “A conquista é nossa! Eu digo nossa porque, a conquista nunca é solitária, existe mais alguém:- aqui, “o leitor”! .Ele me motiva a continuar, está a me inspirar (...)” Marli Savelli

Arquivos

Traduzir


%d blogueiros gostam disto: