Archive for novembro, 2011

Voua

VOUA

Espero que não tenha faltado
água para o pássaro…
Livros desarrumados nas prateleiras
é bom sinal…
Sobre a mesa xícara suja
de café amanhecido
e sonhos não vencidos…
Eu vou
Tu voa
Nós v o amos

Marli Savelli

27 de novembro de 2011 at 01:36 5 comentários

Canção de Ninar

 

Nhé Nhé Nhé ( bebê)

Estava demorando
o bebê chorar … (2x)

a noite vai caindo
vem bem calminha
sobre os olhos do Arthuzinho*

cante baixinho e afinadinho
indo e vindo
bem tranquilinho…

nã nã nã nã nã nã nã

 Marli Savelli

* No lugar de Arthuzinho pode-se usar ‘menininho(a)’ ou ‘criancinha’, ou o nome do bebezinho que está ninando.

Arthur Miguel – 20 dias

23 de novembro de 2011 at 23:59 Deixe um comentário

A Criança É Assim

 

A CRIANÇA É ASSIM
Se a criança quiser, poderia voar agora
mesminho ao céu.
Mas por algo não se vai.
Gosta tanto de deitar a cabeçinha no peito
da sua mãe e olhá-la e olhá-la sem descanso!
A criança sabe uma infinidade de palavras maravilhosas,
embora são tão poucos os que neste mundo
entendem o que ele diz.
Mas por algo falar não quer.
O único que quer é aprender as palavras da sua mãe.
Assim põe esse ar tão inocente!
A criança tinha um montão de ouro e pérolas
e nasceu a esta vida como um pobrezinho.
Mas por algo nasceu assim.
Pedinte nu, que se faz o desvalido para poder
pedir-lhe à sua mãe o tesouro do seu afã!
A criança era bem livre na terra da lua nova.
Mas por algo regalou sua liberdade.
Ele sabe a alegria imensa que cabe no cantinho
do coração da sua mãe e quanto mais doce
que a liberdade é ser colhido e apertado
entre seus braços amados!
A criança morava no mundo da dita perfeita
e não sabia chorar
Mas por algo escolheu as lágrimas
Porque com o seu sorriso ganhava
o coração ansioso da sua mãe,
seus pequenos choros por qualquer peninha
atam-lhe um dobre laço de lástima e de amor.
por Robindronath Tagore
( do Livro Sissu ou A lua crescente)
Nota.-
Tradução do Bangla por José Paz (Poema do livro Sissu, dedicado por R. Tagore à sua esposa Mrinalini e seus filhos, que bem poderia levar por título As crianças da sua mãe, no lugar de Lua nova ou crescente)

23 de novembro de 2011 at 11:43 1 comentário

Já Andava Desconfiada De Deus

JÁ ANDAVA DESCONFIADA DE DEUS

Não disse mentira: __
falava da previsão,
ocultei minha intuição!…
E mais uma vez Deus me livrou
pelas razões certas.

Marli Savelli

22 de novembro de 2011 at 19:13 Deixe um comentário

Dançando a Ciranda

DANÇANDO A CIRANDA

Eu sou de carne, osso e amor
__ Eu te amo tanto!
Não tenho empregada
babá, enfermeira
ou secretária…
(Meu Deus, eu sou uma só!)
Preciso me cuidar pra te cuidar (…)

Fazer as unhas,
cabelos e sobrancelhas…
Trocar as fraldas,
amamentar, ninar,
levar ao médico…
(Esqueci a hora do remédio?)
É a adrenalina do novo
Desacelerar
(…)
A urgência é amar!

Marli Savelli

19 de novembro de 2011 at 17:24 Deixe um comentário

Enquanto Houver Sol

ENQUANTO HOUVER SOL

Não foi acaso,
o destino nos atraiu…
Não foi descuido,
era preciso…
A léguas de distância
me escutou
(eu te escutei)
me alcançou
(eu não me cansei)
Hoje dividimos a noite
enquanto o Sol roga por nós!

Marli Savelli

12 de novembro de 2011 at 20:05 2 comentários

Tão Cedo

TÃO CEDO

O ônibus vai passar,
você vai pegar?
Eu não pretendo ir
Fica também um pouco mais!
nos será dado uma segunda (…)
Vamos na terça-
ou n’outra -feira
Que tal num sábado de açaí?
Mas agora, assim?
Vai não!

Marli Savelli

12 de novembro de 2011 at 01:53 Deixe um comentário

Posts antigos


Obrigada =)

  • 99,512 Pescadores de Ilusões
"Eu escrevo o que me vem ao coração, não me pergunte o porquê nem pra quem. Preciso!"

.............................................

Proteção Anti-Cópia – O blog está protegido pela Lei de Direitos Autorais. Os textos aqui contidos não podem ser utilizados sem prévia e expressa autorização da autora, ficando o infrator sujeito às penas da Lei 9.610 de 19/02/1998.

Selo da Amizade

Biblioterapia

Pais e Filhos III

PAIS E FILHOS III “Primeiro eu peço com amor, se não obedecer, eu alerto: se não for, vai na vara ou no castigo. E sai rapidamente pra fazer!” Um episódio assim representa aquelas pessoas que não dão ouvidos à voz de Deus, precisam enfrentar alguma dor, sofrer algum castigo para aprender aquilo que é, muitas […]

Tentações No Deserto

TENTAÇÕES NO DESERTO Eu só quero o que vier das mãos de Deus Não quero uma mesa farta de alimento, fama ou poder, oferecida pelo diabo Nada disso tem valor sem Ele. Marli Savelli

Canibalismo Espiritual

Eu me alimento, de manhã, meio dia e noite, para poder alimentar. Há quem prefira às madrugadas, não importa! Mas, existem pessoas sofrendo de canibalismo espiritual, onde o seu corpo está se desintegrando por falta de alimento, desidratados, pois, até mesmo as suas reservas – de energias, alegrias, os seus dons, as suas promessas, estão sendo devoradas, […]

Não Negue Cristo

NÃO NEGUE CRISTO Eu: Se eu soubesse, Senhor, eu faria diferente (…) Deus: Baseado nos seus sentimentos, opiniões e razões. Por isso mesmo, você não pode ser governada pelas suas vontades, sou eu quem dito! Espalhe amor e não religião. Não negue Cristo. Marli Savelli

Encurvamento

ENCURVAMENTO Passa-se tanto tempo amarrado, que ao se libertar não consegue voar, bate as asas e cai no mesmo lugar, dando voltas em círculos, chorando as cebolas do Egito. Qual o seu grau de encurvamento? Os velhos ídolos, tradições e ritos pesam sobre os teus ombros. Não há mais correntes, sai do cativeiro, o Senhor […]

Por Clarice Lispector

“Então escrever é o modo de quem tem a palavra como isca: a palavra pescando o que não é palavra. Quando essa não-palavra – a entrelinha – morde a isca, alguma coisa se escreveu. Uma vez que se pescou a entrelinha, poder-se-ia com alívio jogar a palavra fora”. C. Lispector

Licença Poética

Licença poética é uma incorreção de linguagem permitida na poesia. Em sentido mais amplo, são opiniões, afirmações, teorias e situações que não seriam aceitáveis fora do campo da literatura. A poesia pode fazer uso da chamada licença poética, que é a permissão para extrapolar o uso da norma culta da língua, tomando a liberdade necessária para utilizar recursos como o uso de palavras de baixo-calão, desvios da norma ortográfica que se aproximam mais da linguagem falada ou a utilização de figuras de estilo como a hipérbole ou outras que assumem o caráter "fingidor" da poesia, de acordo com a conhecida fórmula de Fernando Pessoa ("O poeta é um fingidor").

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

Prof. Dr. José PAZ Rodrigues

Professor Doutor, José PAZ Rodrigues, didata, poliglota, licenciado e graduado em Pedagogia pela Universidade Complutense de Madrid. Especialista mundial em Robindronath TAGORE, tem a melhor biblioteca do mundo dedicada a TAGORE, com mais de 30.000 volumes em todas as línguas, inclusive, edições brasileiras. Estuda este escritor desde 1966, teve como tese de doutorado: “Tagore, Pioneiro da Nova Educação”. (Clique aqui para acessar seus artigos)

Minha Homenagem

Clique na foto do escritor, poeta, romancista e músico indiano, Robindronath TAGORE (7/5/1861-7/8/1941- Calcutá – Índia), para acessar alguns de seus poemas e escritos, publicados em homenagem a ele, que se realiza no ano de 2011, quando se completa 150 anos desde o seu nascimento e 70 de falecimento. Tagore, chamado por Mahatma Gandhi de “o grande mestre”, ganhou em 1913 o prêmio Nobel de Literatura. Tagore, depois de educação tradicional na Índia, completou sua formação na Inglaterra entre os anos de 1878 e 1880 e começou sua carreira poética com volumes de versos em língua bengali. Desde então, traduziu seus livros para o inglês, a fim de lhes garantir maior difusão. Seu mais famoso volume de poesias é Gitãñjali (Oferenda Poética). Fundou, em 1901, uma escola de filosofia, em Santiniketon, que, em 1921, foi transformada em universidade.

Albert Einstein e Tagore

Tagore e Mahatma Gandhi

Lançando a Rede

Prêmio Dardos

Prêmio indicado por Helena Frenzel, do blogue bluemaedel.blogspot.com. Obrigada, querida, pelo carinho, reconhecimento e leituras. “A conquista é nossa! Eu digo nossa porque, a conquista nunca é solitária, existe mais alguém:- aqui, “o leitor”! .Ele me motiva a continuar, está a me inspirar (...)” Marli Savelli

Traduzir

Na Minha Casa, Tagore

Arquivos