Archive for fevereiro, 2012

Fodam-se!

FODAM-SE!

Muitas vezes me deu vontade
– é de baixo calão –
Esmaguei nas entrelinhas
(me calaram)
A palavra não é maldita,
será bem dita ___
Aos mercenários
Aos aristocratas
Aos saqueadores
(…)
__ Fodam-se!

Marli Savelli

29 de fevereiro de 2012 at 10:23 2 comentários

A Um Desconhecido

A UM DESCONHECIDO

Eu te escrevo (…)
mas não sei se é para ti
que escrevo.

Marli Savelli

25 de fevereiro de 2012 at 21:10 Deixe um comentário

O Amor Está No Ar

O AMOR ESTÁ NO AR

Eu sinto o cheiro
entrando pela minha janela
todos os dias…
De onde?
De quem?
Não saio para ver
porque não saberia falar
(…)
A ilusão que me vem
é incompreensível,
invisível,
impalpável
Porém,  perceptível: __
soa como uma canção

Marli Savelli

22 de fevereiro de 2012 at 21:46 Deixe um comentário

Faz-De-Conta

FAZ-DE-CONTA

Na realidade não dá
para fazer de conta por muito tempo
Pouco antes da meia-noite
acaba o encanto
e a gente percebe
que tudo não passou de um sonho

Faz de conta que
a gente não faz conta …
Faz de conta que
a gente não conta …
Faz de conta que
a gente não faz a conta …

Marli Savelli

20 de fevereiro de 2012 at 23:34 Deixe um comentário

O Verbo E A Carne

O VERBO E A CARNE

Obrigada por ser,
por estar,
ficar…
Por permanecer, 
continuar
(…)
Obrigada pela ligação.

Marli Savelli

15 de fevereiro de 2012 at 21:49 Deixe um comentário

Bobagem

BOBAGEM

Preciso escrever alguma bobagem
Tirar peso da bagagem
Abraçar o vento e me encher de ar
É longe,
muito alto (…)
Abra passagem
Não espero nenhuma vantagem
Quero seguir viagem

Marli Savelli

15 de fevereiro de 2012 at 17:53 Deixe um comentário

Amor De Papel

AMOR DE PAPEL

Cartas de amor não são eternas, se o fogo consumir…

Marli Savelli

11 de fevereiro de 2012 at 22:39 Deixe um comentário

Posts antigos


Obrigada =)

  • 97,402 Pescadores de Ilusões
"Eu escrevo o que me vem ao coração, não me pergunte o porquê nem pra quem. Preciso!"

.............................................

Proteção Anti-Cópia – O blog está protegido pela Lei de Direitos Autorais. Os textos aqui contidos não podem ser utilizados sem prévia e expressa autorização da autora, ficando o infrator sujeito às penas da Lei 9.610 de 19/02/1998.

Licença Poética

Licença poética é uma incorreção de linguagem permitida na poesia. Em sentido mais amplo, são opiniões, afirmações, teorias e situações que não seriam aceitáveis fora do campo da literatura. A poesia pode fazer uso da chamada licença poética, que é a permissão para extrapolar o uso da norma culta da língua, tomando a liberdade necessária para utilizar recursos como o uso de palavras de baixo-calão, desvios da norma ortográfica que se aproximam mais da linguagem falada ou a utilização de figuras de estilo como a hipérbole ou outras que assumem o caráter "fingidor" da poesia, de acordo com a conhecida fórmula de Fernando Pessoa ("O poeta é um fingidor").

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

Lançando a Rede

Últimos posts do blogue: PALAVRAS RABISCADAS

Pedro Cardoso fala sobre Nudez na TV

A nudez é uma crise na narrativa (…)

Dicas de Língua Portuguesa

1 2 . 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 20 21 22  

Deus É Maior

DEUS É MAIOR Deus criou a mulher e junto com ela criou a fantasia. Foi assim que uma vez a Verdade desejou conhecer um palácio por dentro e escolheu o mais suntuoso de todos, onde vivia o grande sultão Haroun Al­-Raschid. Vestiu seu corpo apenas com um véu transparente e pouco depois chegou à porta […]

Não Há Lugar Melhor Que O Nosso Lar

Trecho de Clip Musical retirado do filme “BOLT – O SUPER CÃO”  “Não há lugar melhor que o nosso lar.” – em O Mágico de Oz [Dorothy]

Escrever é Esquecer

Escrever é esquecer. A literatura é a maneira mais agradável de ignorar a vida. A música embala, as artes visuais animam, as artes vivas (como a dança e a arte de representar) entretêm. A primeira, porém, afasta-se da vida por fazer dela um sono; as segundas, contudo, não se afastam da vida – umas porque […]

Por Clarice Lispector

“Então escrever é o modo de quem tem a palavra como isca: a palavra pescando o que não é palavra. Quando essa não-palavra – a entrelinha – morde a isca, alguma coisa se escreveu. Uma vez que se pescou a entrelinha, poder-se-ia com alívio jogar a palavra fora”. C. Lispector

Prêmio Dardos

Prêmio indicado por Helena Frenzel, do blogue bluemaedel.blogspot.com. Obrigada, querida, pelo carinho, reconhecimento e leituras. “A conquista é nossa! Eu digo nossa porque, a conquista nunca é solitária, existe mais alguém:- aqui, “o leitor”! .Ele me motiva a continuar, está a me inspirar (...)” Marli Savelli

Arquivos