Posts filed under ‘Fabula’

A Águia e o Passarinho

A ÁGUIA E O PASSARINHO

A águia com seus olhos de longe alcance avistou o passarinho e o chamou com um canto. Ele seguiu o som até encontrá-la enclausurada numa ampla gaiola dourada de quatro paredes. Uma luxuosa morada, com água fresca, alimento e tudo mais.

Por ser muito amada, prendiam-na, acreditando que assim ela estaria segura. Porém, cativa e triste, gorjeou sua dor ao passarinho:

__ Veja só você – tens voado livremente pelos vales. Agora, eu estou aqui neste espaço pequeno e escuro, impossibilitada de realizar altos vôos. Quero a liberdade! Os meus filhotes precisam voar nas nuvens altivas, conhecer o mundo!…

O passarinho ficou estarrecido e um pouco confuso com a situação e tamanha aflição. Sem saber o que fazer saiu pensando em como poderia abrir a porta da prisão. A voz do seu pensamento se repetia: Liberte-os! Liberte-os!

MORAL: Os gigantes também enfrentam obstáculos.

Marli Savelli

2 de fevereiro de 2011 at 15:05 Deixe um comentário

A Ratoeira

 

A RATOEIRA

Tiquinho, o rato, sabia que Quiko,  o gato,  era seu inimigo. O gato ficava sempre à espreita para que numa oportunidade,  ‘nhac’,  já era o Tiquinho.

O ratinho muito esperto, sempre antes de sair do seu abrigo em busca de alimento,  olhava ao redor para ver se o gato estava por perto. Caso estivesse,  mudava o caminho ou nem mesmo saia de sua toca.

Certo dia, checando o ambiente, viu que a área estava limpa,  nenhum perigo a vista, então, ligeirinho, foi levado pelo cheiro até o banquete que ofertava seu prato predileto  e ‘nhac’. Tiquinho foi abocanhado.

Mas, se Quiko não estava por ali, quem poderia ser?
__ A refeição estava sendo oferecida pela senhora Ratoeira.

 

MORAL : O inimigo mais perigoso é aquele que lhe parece amigo.

Marli Savelli

 

A Ratoeira publicado no Palavras Rabiscadas em 04/06/2010

20 de julho de 2010 at 13:25 Deixe um comentário


Obrigada =)

  • 97,345 Pescadores de Ilusões
"Eu escrevo o que me vem ao coração, não me pergunte o porquê nem pra quem. Preciso!"

.............................................

Proteção Anti-Cópia – O blog está protegido pela Lei de Direitos Autorais. Os textos aqui contidos não podem ser utilizados sem prévia e expressa autorização da autora, ficando o infrator sujeito às penas da Lei 9.610 de 19/02/1998.

Licença Poética

Licença poética é uma incorreção de linguagem permitida na poesia. Em sentido mais amplo, são opiniões, afirmações, teorias e situações que não seriam aceitáveis fora do campo da literatura. A poesia pode fazer uso da chamada licença poética, que é a permissão para extrapolar o uso da norma culta da língua, tomando a liberdade necessária para utilizar recursos como o uso de palavras de baixo-calão, desvios da norma ortográfica que se aproximam mais da linguagem falada ou a utilização de figuras de estilo como a hipérbole ou outras que assumem o caráter "fingidor" da poesia, de acordo com a conhecida fórmula de Fernando Pessoa ("O poeta é um fingidor").

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

Lançando a Rede

Últimos posts do blogue: PALAVRAS RABISCADAS

Pedro Cardoso fala sobre Nudez na TV

A nudez é uma crise na narrativa (…)

Dicas de Língua Portuguesa

1 2 . 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 20 21 22  

Deus É Maior

DEUS É MAIOR Deus criou a mulher e junto com ela criou a fantasia. Foi assim que uma vez a Verdade desejou conhecer um palácio por dentro e escolheu o mais suntuoso de todos, onde vivia o grande sultão Haroun Al­-Raschid. Vestiu seu corpo apenas com um véu transparente e pouco depois chegou à porta […]

Não Há Lugar Melhor Que O Nosso Lar

Trecho de Clip Musical retirado do filme “BOLT – O SUPER CÃO”  “Não há lugar melhor que o nosso lar.” – em O Mágico de Oz [Dorothy]

Escrever é Esquecer

Escrever é esquecer. A literatura é a maneira mais agradável de ignorar a vida. A música embala, as artes visuais animam, as artes vivas (como a dança e a arte de representar) entretêm. A primeira, porém, afasta-se da vida por fazer dela um sono; as segundas, contudo, não se afastam da vida – umas porque […]

Por Clarice Lispector

“Então escrever é o modo de quem tem a palavra como isca: a palavra pescando o que não é palavra. Quando essa não-palavra – a entrelinha – morde a isca, alguma coisa se escreveu. Uma vez que se pescou a entrelinha, poder-se-ia com alívio jogar a palavra fora”. C. Lispector

Prêmio Dardos

Prêmio indicado por Helena Frenzel, do blogue bluemaedel.blogspot.com. Obrigada, querida, pelo carinho, reconhecimento e leituras. “A conquista é nossa! Eu digo nossa porque, a conquista nunca é solitária, existe mais alguém:- aqui, “o leitor”! .Ele me motiva a continuar, está a me inspirar (...)” Marli Savelli

Arquivos